Alimentos de Outono: Ervas Aromáticas

São as folhas de plantas frescas ou secas. 
São essencialmente usadas com fins gastronómicos, contudo têm vindo a ganhar cada vez mais interesse para fins medicinais.
Com excepção do louro, que deve ser consumido a seco, as ervas aromáticas oferecem muito mais aroma e sabor quando frescas.



Informação nutricional:


Uma vez que são usadas em quantidades ínfimas, não contribuem para o valor energético da refeição, nem tão pouco para o seu valor nutricional. 
Não são fornecedores substanciais de nenhum nutriente em particular, uma vez que a quantidade em que são ingeridas não é significativa. Deste modo, dever-se-á dar uma atenção especial às suas propriedades medicinais, uma vez que se essas sim são observáveis mesmo quando ingeridas em pequenas quantidades.

Actualmente, as doenças cardiovasculares, a hipertensão e a obesidade são doenças proeminentes. Neste âmbito, a utilização de ervas aromáticas apresenta os seguintes benefícios: 

  • Aumentam as secreções digestivas e, como tal, facilitam a digestão dos alimentos; 
  • Reduzem a flatulência, ajudando a reduzir os gases intestinais; 
  • Conferem sabores e aromas intensos, permitindo, aquando a confecção, reduzir os teores de sal dos alimentos, sendo benéficas para hipertensos e indivíduos com patologia cardíaca ou renal;
  • Favorecem a conservação dos alimentos, uma vez que alguns destes condimentos apresentam propriedades anti-fúngicas; 
  • Algumas ervas apresentam potencial anti-alérgico, quer pelo contacto com a pele, quer pela própria ingestão; 
  • Ocultam a deterioração de alguns alimentos, uma vez que “mascara” o seu sabor original. 
Como comprar e conservar:

Podem comprar-se secas(alecrim, tomilho, louro, oregãos) ou frescas (salsa, manjericão, coentros, estragão, aipo, hortelã), inteiras e devem ser picadas ou trituradas apenas na altura de serem utilizadas. Desde que estejam congeladas, as ervas conservam-se durante 5 anos, sem perderem as suas propriedades.

Devem comprar-se pequenas quantidades, para que não percam as qualidades com o tempo e relativamente às ervas frescas, nunca devem ser adicionadas ao prato no início da cozedura, pois perdem as suas propriedades organolépticas (aroma, sabor) com o calor. As ervas secas de sabor forte podem ser adicionadas aos alimentos no início da cozedura, resistindo às temperaturas.

Recomenda-se que as ervas aromáticas de folha sejam compradas o mais perto possível da sua utilização, e em pequenas quantidades, a fim de evitar a sua deterioração. 
Por sua vez, a aquisição das ervas secas deve ser feita em locais de venda bastante movimentados, de modo a garantir que estas não se encontram nas prateleiras há muito tempo. Deve, ainda, comprar embalagens pequenas, para não haver perda de aroma. 

O armazenamento deve ser feito em frascos bem fechados e protegidas da luz (armário, gaveta ou outro local escuro) para evitar a deterioração nutricional, de cor ou sabor.

Se tiver um jardim/ horta pode plantar ou semear,colhendo as suas próprias ervas aromáticas.  




Variedade de ervas aromáticas:

Salsa
Tem um sabor puro e fresco e é rica em vitamina A e C, mas também em ferro. Utilizada em molhos, recheios, saladas e omeletes.
- Facilita os processos digestivos.


Manjericão
É um óptimo condimento para saladas, molhos ou sopas. Combina bem com alho e também com tomate.
- Reduz a flatulência, inibe o crescimento microbiano e inibe a dor.

Louro
Usado em caldos, sopas, guisados, molhos, marinadas e salmoura. Duas a três folhas temperam um prato para 5 a 6 pessoas.
- Facilita os processos digestivos, reduz a flatulência, inibe o crescimento microbiano e inibe a dor.

Estragão
Ingrediente essencial da culinária francesa, com pratos de peixe, aves de criação e ovos. Também em excelente em marinadas para pratos de caça
- Inibe o crescimento microbiano.


Funcho
Utilizações culinárias Confere frescura a saladas e molhos na primavera, mas também é ideal para sopas frias e ensopados
- Facilita a eliminação renal.





Hortelã
Utilizações culinárias A hortelã fica bem em pratos de frango, vitela, canjas de galinha e alguns molhos. Também é muito usada em cocktails e licores
- Facilita os processos digestivos e inibe o crescimento microbiano.



Óregãos
Ideal para molhos de massas, pizzas e em legumes assados.
- Reduz a flatulência.



Alecrim
Utilizações culinárias pelo seu sabor forte e indiscreto é muito usado em grelhados de churrasco e assados. Fica bem tanto em salgados como em doces, sendo muito comum nas bolachas
- Facilita os processos digestivos.


Tomilho
Utilizações culinárias ao contrário da maior parte das ervas, o tomilho suporta cozeduras lentas sem que perca o seu aroma natural, sendo muito usado em guisados e estufados. Combina muito bem com vinho tinto
- Facilita os processos digestivos, reduz a flatulência e inibe o crescimento microbiano.


Coentros
Utilizações culinárias de sabor muito intenso, mas que se perde com facilidade na cozedura lenta, devendo ser adicionado no final. Fica bem com pratos salgados, com batatas e com pratos de marisco, como amêijoas.
- Facilita os processos digestivos.


Agrião
Utilizado em sopas feitas com caldos, natas ou iogurtes
- É diurético e anti-anémico.

Em conclusão, as especiarias têm sido aconselhados pelas suas propriedades nutricionais e medicinais. Assim sendo, pondera-se a sua introdução da roda dos alimentos. Contudo, estas devem ser consumidas com moderação e não estão isentas de causar toxi-infecções, intolerâncias ou alergias alimentares.




Sugestão:

Congelar ervas aromáticas em azeite ou manteiga:


Como Congelar ervas aromáticas em azeite ou manteiga

Em vez do típico Caldo Knorr , use esta sugestão.
Congelando dessa forma não escurecem, não perdem sabor e nem o aroma. 
Passos para Congelar ervas aromáticas em azeite ou manteiga sem sal (derretida):
  1. Escolher ervas frescas;
  2. Se quiser você pode picá-las bem, ou deixá-las em ramos e folhas maiores.
  3. Colocar em bandejas de cubos de gelo (cerca de 2/3 cheio de ervas).
  4. Misturar as ervas (sálvia, tomilho, alecrim).
  5. Colocar azeite extra-virgem ou manteiga derretida sem sal sobre as ervas.
  6. Cobrir com filme plástico e congelar.
  7. Remover os cubos congelados e armazenar em recipientes ou sacos pequenos de congelamento.
  8. Etiquetar cada embalagem ou o saco com o tipo de erva que contém.
  9. Usar em assados, batatas cozidas, etc.